Trump diz que há 'muita raiva' sobre tentativa de impeachment

Presidente dos EUA deixou a Casa Branca pela 1ª vez desde a invasão do Capitólio por seus apoiadores para visitar muro na fronteira com o México. Trump diz que discurso antes de invasão no Congresso foi adequado O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou nesta terça-feira (12) que há muita raiva sobre a tentativa de retirá-lo do cargo após a invasão do Capitólio, sede do Congresso americano, na quinta-feira (7). A oito dias do fim do seu mandato, Trump é pressionado a deixar o cargo, seja por renúncia, pela evocação da 25ª emenda da Constituição americana ou por um novo processo de impeachment. O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, fala com a imprensa na Casa Branca antes de embarcar para o Texas Gerald Herbert/AP "Este impeachment está causando uma raiva tremenda e eles estão fazendo isso, e é realmente uma coisa terrível o que eles estão fazendo", afirmou o presidente americano a jornalistas antes de embarcar para o Texas. Os argumentos dos democratas para pedir o impeachment de Trump Veja perguntas e respostas sobre o 2º pedido de impeachment contra Trump Trump falou com a imprensa na saída da Casa Branca e antes de embarcar no Air Force One Alex Brandon/AP O presidente americano vai visitar o muro na fronteira com o México, em sua primeira agenda pública desde a invasão ao Capitólio que deixou cinco mortos — quatro extremistas que o apoiavam e um policial. Veja quem são os 5 mortos na invasão ao Congresso dos EUA Por que o policial Eugene Goodman foi chamado de herói por ação no Capitólio Foi a primeira declaração pública de Trump desde sexta (8), e ele não respondeu à pergunta se renunciaria ao cargo. Mas disse não querer violência: "Nós não queremos violência. Violência nunca". Ele criticou o novo processo de impeachment que deve sofrer na Câmara dos Representantes, por "incitação à insurreição", chamou os preparativos de "absolutamente ridículos" e falou que se trata da "continuação da maior caça às bruxas da história da política". Trump pode se tornar o primeiro presidente americano a ter dois impeachments aprovados pela Câmara. Na primeira ocasião, o Senado decidiu não removê-lo do cargo. O segundo pedido deve ser votado amanhã, quarta-feira (13). Imagem de 8 de janeiro deste ano da construção do muro na fronteira entre EUA e México Jose Luis Gonzalez/Reuters Visita ao Texas Trump embarcou para a cidade de Álamo, no Texas, para visitar o muro na fronteira com o México. Membros de sua equipe o encorajaram a realizar eventos que destacassem seu legado. A ampliação do muro, que já existe em alguns trechos na fronteira, foi sua principal promessa da campanha de 2016, assim como o combate à imigração ilegal. O porta-voz da Casa Branca, Judd Deere, disse que a visita marcaria a "conclusão de mais de 644 km de muro de fronteira — uma promessa feita, promessa mantida — e os esforços da administração de Trump para reformar nosso sistema de imigração quebrado".

Trump diz que há 'muita raiva' sobre tentativa de impeachment

Presidente dos EUA deixou a Casa Branca pela 1ª vez desde a invasão do Capitólio por seus apoiadores para visitar muro na fronteira com o México. Trump diz que discurso antes de invasão no Congresso foi adequado O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou nesta terça-feira (12) que há muita raiva sobre a tentativa de retirá-lo do cargo após a invasão do Capitólio, sede do Congresso americano, na quinta-feira (7). A oito dias do fim do seu mandato, Trump é pressionado a deixar o cargo, seja por renúncia, pela evocação da 25ª emenda da Constituição americana ou por um novo processo de impeachment. O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, fala com a imprensa na Casa Branca antes de embarcar para o Texas Gerald Herbert/AP "Este impeachment está causando uma raiva tremenda e eles estão fazendo isso, e é realmente uma coisa terrível o que eles estão fazendo", afirmou o presidente americano a jornalistas antes de embarcar para o Texas. Os argumentos dos democratas para pedir o impeachment de Trump Veja perguntas e respostas sobre o 2º pedido de impeachment contra Trump Trump falou com a imprensa na saída da Casa Branca e antes de embarcar no Air Force One Alex Brandon/AP O presidente americano vai visitar o muro na fronteira com o México, em sua primeira agenda pública desde a invasão ao Capitólio que deixou cinco mortos — quatro extremistas que o apoiavam e um policial. Veja quem são os 5 mortos na invasão ao Congresso dos EUA Por que o policial Eugene Goodman foi chamado de herói por ação no Capitólio Foi a primeira declaração pública de Trump desde sexta (8), e ele não respondeu à pergunta se renunciaria ao cargo. Mas disse não querer violência: "Nós não queremos violência. Violência nunca". Ele criticou o novo processo de impeachment que deve sofrer na Câmara dos Representantes, por "incitação à insurreição", chamou os preparativos de "absolutamente ridículos" e falou que se trata da "continuação da maior caça às bruxas da história da política". Trump pode se tornar o primeiro presidente americano a ter dois impeachments aprovados pela Câmara. Na primeira ocasião, o Senado decidiu não removê-lo do cargo. O segundo pedido deve ser votado amanhã, quarta-feira (13). Imagem de 8 de janeiro deste ano da construção do muro na fronteira entre EUA e México Jose Luis Gonzalez/Reuters Visita ao Texas Trump embarcou para a cidade de Álamo, no Texas, para visitar o muro na fronteira com o México. Membros de sua equipe o encorajaram a realizar eventos que destacassem seu legado. A ampliação do muro, que já existe em alguns trechos na fronteira, foi sua principal promessa da campanha de 2016, assim como o combate à imigração ilegal. O porta-voz da Casa Branca, Judd Deere, disse que a visita marcaria a "conclusão de mais de 644 km de muro de fronteira — uma promessa feita, promessa mantida — e os esforços da administração de Trump para reformar nosso sistema de imigração quebrado".