Quase 300 meninas sequestradas de escola na Nigéria são libertadas

É o 4º ataque em menos de 3 meses no noroeste do país. Autoridades negam o pagamento de resgate, mas especialistas não acreditam na versão e temem que a prática estimule os crimes. 279 meninas sequestradas de escola em Jangebe, no noroeste da Nigéria, são libertadas após 4 dias Sunday Alamba/AP As 279 meninas sequestradas na sexta-feira (26) em um colégio de Jangebe, no noroeste da Nigéria, foram liberadas e estão com as autoridades, anunciou nesta terça-feira (2) o governador do estado de Zamfara, Bello Matawalle. "Estou feliz de anunciar que as meninas foram liberadas. Acabam de chegar à sede do governo e estão bem", declarou o governador após um rápido encontro com as estudantes. "O número total de meninas sequestradas era 279 e todas estão diante de nós. Agradecemos a Alá". Inicialmente, as autoridades anunciaram que 317 estudantes haviam sido sequestradas no ataque de um grupo de homens armados contra a escola. As jovens, visivelmente cansadas, chegaram em vários micro-ônibus a Gusau, capital de Zamfara. As autoridades reuniram as estudantes em um auditório e entregaram roupas limpas e hijabs (véu que cobre o cabelo e peito) de cor azul. Depois, as jovens se perfilaram para cantar o hino nacional nigeriano. Estudantes foram sequestradas por homens armados de uma escola; autoridades negam o pagamento de resgate Sunday Alamba/AP O presidente da Nigéria, Muhammadu Buhari, expressou "imensa alegria" após a libertação das meninas. "Me uno às famílias e ao povo de Zamfara para receber e celebrar o retorno das alunas traumatizadas", afirmou o presidente em um comunicado. Buhari prometeu acabar com o conflito que afeta o norte do país, mas a situação é cada vez mais dramática. Na manhã desta terça, uma base da ONU e um acampamento militar foram alvos de um ataque de milicianos de um grupo jihadista vinculado ao Estado Islâmico. Escolas como novo alvo O sequestro das alunas de Zamfara foi o quarto ataque contra escolas em menos de três meses no noroeste da Nigéria, onde há uma década grupos criminosos roubam gado e executam sequestros para pedir resgates. Em geral, os alvos são figuras públicas ou viajantes nas estradas, mas nos últimos meses as escolas se tornaram um alvo mais lucrativo. Em dezembro, o governo de Zamfara negociou a liberação de 344 jovens que foram sequestrados em um colégio no estado vizinho de Katsina. As autoridades negam o pagamento de resgates, mas especialistas em segurança não acreditam na versão e temem que a prática estimule os sequestros em regiões inseguras, minadas pela extrema pobreza. Nesta terça, o governador afirmou que "bandidos arrependidos" ajudaram a garantir a libertação das 279 estudantes. As autoridades do estado negociam há mais de um ano com o grupo que promove esses sequestros uma anistia em troca da entrega de armas. Os novos sequestros em massa trouxeram à memória o rapto de Chibok, em 2014, quando o grupo extremista Boko Haram sequestrou 276 estudantes. Mais de 100 meninas continuam desaparecidas até hoje e não se sabe quantas sobreviveram ao sequestro. Escolarização, pobreza e insegurança Mas os dois sequestros são diferentes: os sequestradores atuam por dinheiro e não por razões ideológicas, apesar dos vínculos de alguns criminosos com os grupos jihadistas. Os grupos atraem cada vez mais jovens desempregados em regiões onde mais de 80% dos habitantes vivem na extrema pobreza. Alguns chegam a ter centenas de combatentes. A violência no país provocou desde 2011 a morte de mais de 8 mil pessoas e o deslocamento de mais 200 mil, segundo relatório do International Crisis Group (ICG) publicado em maio de 2020. Outra consequência preocupante dos sequestros é o aumento da deserção escolar, especialmente de meninas, na região menos escolarizada da Nigéria, segundo o ICG. VÍDEOS: as últimas notícias internacionais

Quase 300 meninas sequestradas de escola na Nigéria são libertadas

É o 4º ataque em menos de 3 meses no noroeste do país. Autoridades negam o pagamento de resgate, mas especialistas não acreditam na versão e temem que a prática estimule os crimes. 279 meninas sequestradas de escola em Jangebe, no noroeste da Nigéria, são libertadas após 4 dias Sunday Alamba/AP As 279 meninas sequestradas na sexta-feira (26) em um colégio de Jangebe, no noroeste da Nigéria, foram liberadas e estão com as autoridades, anunciou nesta terça-feira (2) o governador do estado de Zamfara, Bello Matawalle. "Estou feliz de anunciar que as meninas foram liberadas. Acabam de chegar à sede do governo e estão bem", declarou o governador após um rápido encontro com as estudantes. "O número total de meninas sequestradas era 279 e todas estão diante de nós. Agradecemos a Alá". Inicialmente, as autoridades anunciaram que 317 estudantes haviam sido sequestradas no ataque de um grupo de homens armados contra a escola. As jovens, visivelmente cansadas, chegaram em vários micro-ônibus a Gusau, capital de Zamfara. As autoridades reuniram as estudantes em um auditório e entregaram roupas limpas e hijabs (véu que cobre o cabelo e peito) de cor azul. Depois, as jovens se perfilaram para cantar o hino nacional nigeriano. Estudantes foram sequestradas por homens armados de uma escola; autoridades negam o pagamento de resgate Sunday Alamba/AP O presidente da Nigéria, Muhammadu Buhari, expressou "imensa alegria" após a libertação das meninas. "Me uno às famílias e ao povo de Zamfara para receber e celebrar o retorno das alunas traumatizadas", afirmou o presidente em um comunicado. Buhari prometeu acabar com o conflito que afeta o norte do país, mas a situação é cada vez mais dramática. Na manhã desta terça, uma base da ONU e um acampamento militar foram alvos de um ataque de milicianos de um grupo jihadista vinculado ao Estado Islâmico. Escolas como novo alvo O sequestro das alunas de Zamfara foi o quarto ataque contra escolas em menos de três meses no noroeste da Nigéria, onde há uma década grupos criminosos roubam gado e executam sequestros para pedir resgates. Em geral, os alvos são figuras públicas ou viajantes nas estradas, mas nos últimos meses as escolas se tornaram um alvo mais lucrativo. Em dezembro, o governo de Zamfara negociou a liberação de 344 jovens que foram sequestrados em um colégio no estado vizinho de Katsina. As autoridades negam o pagamento de resgates, mas especialistas em segurança não acreditam na versão e temem que a prática estimule os sequestros em regiões inseguras, minadas pela extrema pobreza. Nesta terça, o governador afirmou que "bandidos arrependidos" ajudaram a garantir a libertação das 279 estudantes. As autoridades do estado negociam há mais de um ano com o grupo que promove esses sequestros uma anistia em troca da entrega de armas. Os novos sequestros em massa trouxeram à memória o rapto de Chibok, em 2014, quando o grupo extremista Boko Haram sequestrou 276 estudantes. Mais de 100 meninas continuam desaparecidas até hoje e não se sabe quantas sobreviveram ao sequestro. Escolarização, pobreza e insegurança Mas os dois sequestros são diferentes: os sequestradores atuam por dinheiro e não por razões ideológicas, apesar dos vínculos de alguns criminosos com os grupos jihadistas. Os grupos atraem cada vez mais jovens desempregados em regiões onde mais de 80% dos habitantes vivem na extrema pobreza. Alguns chegam a ter centenas de combatentes. A violência no país provocou desde 2011 a morte de mais de 8 mil pessoas e o deslocamento de mais 200 mil, segundo relatório do International Crisis Group (ICG) publicado em maio de 2020. Outra consequência preocupante dos sequestros é o aumento da deserção escolar, especialmente de meninas, na região menos escolarizada da Nigéria, segundo o ICG. VÍDEOS: as últimas notícias internacionais