Europa pode ter que misturar vacinas contra Covid-19 devido a crise da AstraZeneca

Em alguns países, determinou-se que pessoas de algumas faixas etárias não poderão receber vacina da AstraZeneca. O médico Stefano Paglia recebe dose da vacina da Pfizer e da BioNTech em hospital de Codogno, na Itália, em 27 de dezembro de 2020 Flavio Lo Scalzo/AFP Vários países da Europa cogitam misturar vacinas contra Covid-19 para cidadãos que receberam uma primeira dose da vacina da AstraZeneca. Os governos estão com dificuldade para lidar com novos aumentos de infecções. Fiocruz entrega mais 1,3 milhão de doses de vacina Oxford/AstraZeneca ao governo No Reino Unido, país da Europa com a maior taxa de vacinação, número de mortos por Covid-19 baixa para 10 Os programas de vacinação foram prejudicados por um número pequeno de relatos de que pessoas foram inoculadas com a vacina da AstraZeneca e sofreram coágulos sanguíneos, extremamente raros, o que levou alguns países de todo o mundo a suspender seu uso por cautela. A Agência Europeia de Medicamentos disse em um comunicado que sua análise de vacina está em andamento. A entidade divulgará uma atualização de sua investigação na tarde desta quarta-feira. A AstraZeneca disse anteriormente que seus estudos não apontaram um risco maior de coágulos por causa da vacina. Milhões de doses do imunizante já foram aplicadas em todo o mundo. Embora alguns países tenham retomado o uso da vacina, alguns deles impuseram restrições de idade. Em muitas instâncias, isto deixou as autoridades confusas a respeito ao que fazer com pessoas que receberam uma primeira dose da vacina da AstraZeneca e não estão mais habilitadas nos termos das novas leis. Embora o número seja pequeno quando comparado ao das dezenas de milhões sendo inoculadas em toda a região, a decisão é significativa porque ela não foi examinada em testes de estágio avançado em humanos. Veja os vídeos mais assistidos do G1

Europa pode ter que misturar vacinas contra Covid-19 devido a crise da AstraZeneca

Em alguns países, determinou-se que pessoas de algumas faixas etárias não poderão receber vacina da AstraZeneca. O médico Stefano Paglia recebe dose da vacina da Pfizer e da BioNTech em hospital de Codogno, na Itália, em 27 de dezembro de 2020 Flavio Lo Scalzo/AFP Vários países da Europa cogitam misturar vacinas contra Covid-19 para cidadãos que receberam uma primeira dose da vacina da AstraZeneca. Os governos estão com dificuldade para lidar com novos aumentos de infecções. Fiocruz entrega mais 1,3 milhão de doses de vacina Oxford/AstraZeneca ao governo No Reino Unido, país da Europa com a maior taxa de vacinação, número de mortos por Covid-19 baixa para 10 Os programas de vacinação foram prejudicados por um número pequeno de relatos de que pessoas foram inoculadas com a vacina da AstraZeneca e sofreram coágulos sanguíneos, extremamente raros, o que levou alguns países de todo o mundo a suspender seu uso por cautela. A Agência Europeia de Medicamentos disse em um comunicado que sua análise de vacina está em andamento. A entidade divulgará uma atualização de sua investigação na tarde desta quarta-feira. A AstraZeneca disse anteriormente que seus estudos não apontaram um risco maior de coágulos por causa da vacina. Milhões de doses do imunizante já foram aplicadas em todo o mundo. Embora alguns países tenham retomado o uso da vacina, alguns deles impuseram restrições de idade. Em muitas instâncias, isto deixou as autoridades confusas a respeito ao que fazer com pessoas que receberam uma primeira dose da vacina da AstraZeneca e não estão mais habilitadas nos termos das novas leis. Embora o número seja pequeno quando comparado ao das dezenas de milhões sendo inoculadas em toda a região, a decisão é significativa porque ela não foi examinada em testes de estágio avançado em humanos. Veja os vídeos mais assistidos do G1