Aliado de Bolsonaro, governador de RR incentiva população e diz que vai se vacinar contra Covid: 'eu vou tomar'

Presidente é crítico das vacinas e já afirmou que não vai se imunizar contra Covid-19. Doses da vacina devem chegar até fevereiro em Roraima e imediatamente serão distribuídas aos 15 municípios, segundo o secretário de Saúde, Marcelo Lopes. Antonio Denarium, governador de Roraima Divulgação/Secretaria de Comunicação (Secom) O governador de Roraima, Antonio Denarium (sem partido), disse que vai se vacinar contra o coronavírus quando as doses forem disponibilizadas e enviadas ao estado. Ele também incentivou a população a buscar imunização. Denarium se descreve como "bolsonarista" e costuma seguir à risca as orientações do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que é crítico das vacinas e já afirmou que não vai se imunizar contra a Covid-19. O presidente chegou a afirmar que não se responsabilizaria se alguém virasse jacaré após ser vacinado. “Eu vou tomar. Assim que tiver disponibilidade, eu vou tomar, da mesma forma que acho que toda a população, quem já foi contaminado e não contaminado, deve se vacinar”, disse o governador Antonio Denarium ao ser questionado se acredita na eficácia da vacina. A declaração de Denarium foi dada em uma coletiva nesta terça-feira (12) em que o governo explicou o aumento na curva de contágio do estado, atribuindo a inaugurações e aglomerações que ocorreram no fim do ano passado. Também foi apresentado um plano para controlar a pandemia, com instalação de barreiras sanitárias e ampliação de leitos. Chegada da vacina Durante a apresentação das medidas, o secretário de Saúde, Marcelo Lopes, afirmou que entre a última semana de janeiro e a primeira de fevereiro o estado iniciará a vacinação. Lopes afirmou, ainda, que a programação para vacinação contra Covid-19 não deve ser um desafio para o estado porque o Brasil é "líder mundial em política de imunização". Disse, ainda, que a vacina deve ser escolhida pelo governo federal. "Essa primeira etapa de vacinação do coronavírus não é nem de longe uma campanha com quantidade de vacinas que estamos acostumados administrar", afirmou. Ainda conforme o secretário, o estado tem capacidade para armazenar, ministrar e transportar as doses que serão recebidas. O material deve ser distribuído para todos os 15 municípios do estado imediatamente. "Ao receber esta vacina no estado de Roraima, imediatamente será transportada aos 14 municípios do interior e capital. Em todas as nossas quase 150 unidades de saúde vamos ministrar essas vacinas de forma muito rápida", disse Lopes. No final do ano passado, Denarium solicitou ao Ministério da Saúde 600 mil doses de vacina contra a Covid-19. O pedido foi feito em uma reunião com o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello. Roraima tem 631 mil habitantes, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A Secretaria de Saúde (Sesau) afirma qua há 1 milhão de seringas em estoque no estado e mais 600 nil em fase de aquisição. O estado contabiliza 70.086 casos e 800 mortes causadas pelo coronavírus até esta terça-feira (12).

Aliado de Bolsonaro, governador de RR incentiva população e diz que vai se vacinar contra Covid: 'eu vou tomar'

Presidente é crítico das vacinas e já afirmou que não vai se imunizar contra Covid-19. Doses da vacina devem chegar até fevereiro em Roraima e imediatamente serão distribuídas aos 15 municípios, segundo o secretário de Saúde, Marcelo Lopes. Antonio Denarium, governador de Roraima Divulgação/Secretaria de Comunicação (Secom) O governador de Roraima, Antonio Denarium (sem partido), disse que vai se vacinar contra o coronavírus quando as doses forem disponibilizadas e enviadas ao estado. Ele também incentivou a população a buscar imunização. Denarium se descreve como "bolsonarista" e costuma seguir à risca as orientações do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que é crítico das vacinas e já afirmou que não vai se imunizar contra a Covid-19. O presidente chegou a afirmar que não se responsabilizaria se alguém virasse jacaré após ser vacinado. “Eu vou tomar. Assim que tiver disponibilidade, eu vou tomar, da mesma forma que acho que toda a população, quem já foi contaminado e não contaminado, deve se vacinar”, disse o governador Antonio Denarium ao ser questionado se acredita na eficácia da vacina. A declaração de Denarium foi dada em uma coletiva nesta terça-feira (12) em que o governo explicou o aumento na curva de contágio do estado, atribuindo a inaugurações e aglomerações que ocorreram no fim do ano passado. Também foi apresentado um plano para controlar a pandemia, com instalação de barreiras sanitárias e ampliação de leitos. Chegada da vacina Durante a apresentação das medidas, o secretário de Saúde, Marcelo Lopes, afirmou que entre a última semana de janeiro e a primeira de fevereiro o estado iniciará a vacinação. Lopes afirmou, ainda, que a programação para vacinação contra Covid-19 não deve ser um desafio para o estado porque o Brasil é "líder mundial em política de imunização". Disse, ainda, que a vacina deve ser escolhida pelo governo federal. "Essa primeira etapa de vacinação do coronavírus não é nem de longe uma campanha com quantidade de vacinas que estamos acostumados administrar", afirmou. Ainda conforme o secretário, o estado tem capacidade para armazenar, ministrar e transportar as doses que serão recebidas. O material deve ser distribuído para todos os 15 municípios do estado imediatamente. "Ao receber esta vacina no estado de Roraima, imediatamente será transportada aos 14 municípios do interior e capital. Em todas as nossas quase 150 unidades de saúde vamos ministrar essas vacinas de forma muito rápida", disse Lopes. No final do ano passado, Denarium solicitou ao Ministério da Saúde 600 mil doses de vacina contra a Covid-19. O pedido foi feito em uma reunião com o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello. Roraima tem 631 mil habitantes, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A Secretaria de Saúde (Sesau) afirma qua há 1 milhão de seringas em estoque no estado e mais 600 nil em fase de aquisição. O estado contabiliza 70.086 casos e 800 mortes causadas pelo coronavírus até esta terça-feira (12).